post-image

A obra do Artista não morre!

Fica evidente que, o dia 4 é definitivamente o dos grandes acontecimentos em Angola,
no século XX/XXI.
É o da gesta primeira na luta contemporânea para a libertação perpétua do território
de Angola, do jugo colonial português, com as ocorrências protagonizadas por
cidadãos Angolanos na Baixa de Cassanje, que ousaram revoltar-se de forma pacífica
contra o trabalho forçado e a exploração descarada da oligarquia colonialista
portuguesa, que impunham preços injustos para a compra de algodão, aos produtores
angolanos, impondo-lhes a monocultura agrícola. Deu-se assim o primeiro grito de
discordância pacífica às políticas do regime fascista e colonialista português, que
reagiu com brutalidade extrema, tendo ceifado a vida de milhares de cidadãos
Angolanos, (Homens, Mulheres e Crianças). Dia 4 de Janeiro de 1960.
Assim, foi lançada a semente que germinou e foi inspiração para a gesta histórica que
ocorreu no dia 4 de Fevereiro de 1961, em Luanda, com o assalto as Cadeias de São
Paulo e Casa da Reclusão.
Proclamada a independência da República Popular de Angola, do jugo colonial
português, a 11 de Novembro de 1975, no dia 4 de Janeiro de 1977, efectuou-se sob a
direcção do Presidente da República Dr. António Agostinho Neto, a troca da moeda,
Escudo para o Kwanza.
Foi executor da histórica decisão de troca da moeda, o primeiro cidadão angolano a
desempenhar o cargo de Ministro das Finanças, no primeiro Governo de Angola
Independente, o Dr. Avelino Henrique Saíde Vieira Dias Rodrigues Mingas “Saíde
Mingas”, coincidência! (……) Irmão mais velho do Dr. Rui Alberto Vieira Dias Rodrigues
Mingas “Rui Mingas”. Conseguiu-se que, pela primeira vez na história, a banca e as
nossas cédulas monetárias fossem de facto angolanas e independentes da banca
portuguesa. Foi retumbante a vitória.
Após longo período de desencontro e conflitos antagónicos entre Angolanos, que se
guerrearam e tivemos como consequência a perda de milhares de vidas humanas e a
destruição de infra-estruturas económicas e sociais, que redundou num longo atraso
económico e sofrimento dos Angolanos, sentido até a medula, finalmente, foi também
no 4 de Abril de 2002, que se deu o abraço para a paz definitiva entre todos os
Angolanos.
Aos 4 de Janeiro de 2006, faleceu a grande cantora e compositora, Maria de Lourdes
Vandunen, integrante do lendário Grupo de Música Popular Angolana, em Luanda, O
NGOLA RÍTMO, onde pontificaram geniais instrumentistas, cantores e criadores do
género de Música Semba, que urge concluir o processo para o seu registo definitivo
junto da UNESCO como património imaterial da Humanidade e dos Angolanos e
realizar-se o acto formal do merecido reconhecimento do NGOLA RÍTMO e seus
integrantes, como principais percursores do género musical SEMBA DE ANGOLA.
Chegados aqui, com a sina do número 4, no fatídico Janeiro de 2024, calou-se para
sempre o Homem. Que deixa como legado para os Angolanos e para o mundo, o
timbre da sua voz e um manancial de obras escritas, cantadas e tocadas. Escreveu a
sua história, como bom patriota, no desporto, no movimento associativo, na política,
diplomacia, academia, cultura, enfim; o Dikota Rui Alberto Vieira Dias Rodrigues
Mingas “Rui Mingas”, Angolano nascido a 12 de Maio de 1939, em Luanda, lutou um
bom combate enquanto respirou, porque a OBRA DO ARTISTA NÃO MORRE!
Que tal designar uma das categorias do Prémio Nacional de Cultura e Arte, com o
nome do Rui Mingas? Na minha perspectiva, seria uma justa homenagem para
perpetuar o nome deste HOMEM QUE SE AGIGANTOU NO SEU TEMPO!
À família enlutada, expresso os meus profundos sentimentos de pesar.
Luanda, aos 06 de Janeiro de 2024.
Assino: José Manuel Moreno Mendes Fernandes “Zeca Moreno”
- Político e Funcionário Público Reformado, Compositor e Cantor


Fonte: UNAC-S.A